11/05/2018 às 10h29min - Atualizada em 11/05/2018 às 10h29min

Alunos redescobrindo Anchieta

Com o objetivo de estimular os alunos a terem um novo olhar sobre aquilo que eles já conhecem a escola Pops, de Anchieta, desenvolveu um projeto pedagógico chamado Redescobrindo Anchieta. Em abril os alunos do 2º ano do ensino médio inovador realizaram um dia de estudos na Rota dos Cânions.

Conforme o professor Airton Luiz Feldkircher o espaço geográfico é o resultado das transformações que as pessoas que vivem nele fazem, e da maneira como o utilizam. “As pessoas transformam o espaço em algo natural e humanizado e assim os espaços ficam cheios de histórias, marcas que quando revistas podem causar um sentimento de pertencimento. Por isso, se quisermos fazer da escola um lugar de aprendizagem é preciso descobrir como fazer com que os alunos reconheçam que pertencem aquele lugar”, afirma.

Com esses conceitos norteadores os professores elaboraram um roteiro de estudo destacando a Rota dos Cânions, onde os alunos puderam visitar e redescobrir os lugares. “O roteiro tem como objetivo instigar os alunos a ter novas referências sobre os lugares e desenvolver uma percepção diferenciada sobre o que estão vendo”, explica Airton.

O primeiro lugar visitado foi a comunidade de 7 de Setembro para observar os cânions à distância. Anderson Cavasin, guia do trajeto, fez uma explicação sobre o lugar. Após seguiram para as linhas Gaiola e Primavera, onde os alunos puderam observar as encostas dos rios, a mata (ou a falta dela) e o ambiente em si. Então o roteiro seguiu para o jabuticabal, local com 124 árvores que teriam sido plantadas há muitos anos por índios para atrair animais de caça.

Outro ponto visitado foi o mirante localizado na comunidade de Santa Rita. O guia Anderson explicou para a turma, sobre a história do lugar, que nos anos 60 a 80, teve cerca de 95% das matas retiradas durante a extração de madeira, utilizada em Anchieta que tinha nove serrarias na época. “Hoje se observa, além da beleza do horizonte, pequenas preservações de matas e a criação de gado leiteiro. Após várias fotos e selfies, a turma deixou o local, satisfeitos, e seguimos para Camping do Zamin, local de beleza extraordinário e mata exuberante rodeada por oito cascatas, sem dúvida o lugar mais esperado pelos alunos”, declara Airton.

Depoimento

Os alunos Andrieli Uliana e Jheizo Franchesco descrevem no relatório realizado nas aulas de geografia um pouco da experiência do dia. “O camping é rodeado por oito cachoeiras, sendo cinco acessíveis por trilhas onde são observadas bromélias, xaxins e orquídeas, a diversidade natural do local é encantadora. No Zamin conhecemos três cachoeiras, em uma delas o acesso só foi possível através do rio, subimos correnteza acima, não tivemos dificuldades, foi extraordinário. Assim chegamos tivemos a mais privilegiada vista, uma cachoeira com cerca de 60 metros. Não nos demos conta de como o tempo passou rápido, eram 17h30 da tarde e chegou a hora de partir do camping, o destino passou a ser a sede da Ar Livre Eco Turismo onde fomos recepcionados. Atividades deste tipo nos instigam a buscar mais, a termos horas de lazer sem deixar de desfrutar dos conteúdos e aprendermos na prática o que vimos teoricamente”, relataram.


Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »