25/04/2019 às 08h12min - Atualizada em 25/04/2019 às 08h12min

Um homem que conheceu a vida pelo trabalho

Morreu na tarde de segunda-feira José Odalsi Link, pioneiro e um dos fundadores de São José do Cedro e Palma Sola. Odalsi estava na UTI há 69 dias na policlínica de Francisco Beltrão e neste dia 22 de abril teve falência múltipla de órgãos.

José Odalsi Link foi um homem que construiu sua vida com o suor do trabalho. Dia 5 de julho completaria 87 anos. Há três anos Odalsi teve uma forte pneumonia e desde lá tinha episódios de insuficiência respiratória. Por 69 dias ficou na Unidade de Terapia Intensiva da policlínica de Francisco Beltrão e na tarde de segunda-feira, dia 22 de abril, teve parada múltipla de órgãos em consequência dos problemas cardiorrespiratórios.

Em julho de 2012 o jornalista Igor Vissotto teve a oportunidade e o privilégio de entrevistar Odalsi, entre as maneiras de definir a vida, uma frase chamou atenção: "Se você olhar duas ferramentas de trabalho, uma que está parada e outra que está sendo usada vai se dar conta do que estou dizendo. A enxada parada enferruja, a que está em uso, está firme, forte e lustrosa".

Odalsi é mais um gaúcho que veio para o Oeste catarinense atrás de prosperidade e riqueza. Foi um dos pioneiros e colonizadores de São José do Cedro e Palma Sola. Nestas terras construiu muito mais que patrimônio, construiu família, fez amigos, fez negócios e sempre será lembrado como um exemplo de homem trabalhador.
Nasceu em Cerro Largo, região das Missões, no estado do Rio Grande do Sul. Filho de um pequeno comerciante e uma dona de casa que lhe ensinaram o sentido das palavras: honestidade e trabalho. Odalsi era o irmão mais velho entre os sete irmãos: Odilo Antonio (In Memorian), Odete Gisela, Danilo Francisco (In Memorian), Maria Darci e Alicia.

Aos 18 anos prestou serviço militar. Quando deu baixa do quartel foi convidado pelo cunhado Alcides Volkweiss a conhecer as terras de Santa Catarina no ano de 1951.
Odalsi e o irmão e grande companheiro Odilo chegaram em São José do Cedro no início da década de 50, precisamente no ano de 1952, pouco depois trouxeram os pais e os irmãos. O objetivo era recomeçar a vida em terras novas, mais produtivas. Por aqui encontraram muito mato nativo, uma terra de pinhais.

Nos primeiros meses trabalharam de empregados na serraria do cunhado Alcides e do seu irmão Irineu. Em 1956 compraram a serraria dos irmãos Volkweiss. Enquanto Odilo garimpava compradores para a madeira serrada, Odalsi trabalhava. "O trabalho era pesado. De acordar às 4h da manhã, quando um parava para comer o outro ficava tocando a serraria. Hoje o trabalho dos filhos e netos é lazer perto do que fazíamos". Por muitos anos a luz elétrica da cidade de São José do Cedro era fornecida gratuitamente pela serraria Link & Filhos Ltda.

Odalsi chegou no Extremo Oeste catarinense com 21 anos. Homem de pouco estudo, mas de princípios e valores rígidos que atrelados ao vigor no trabalho deram a ele o que foi o seu maior bem: a família.

Por intermédio de um primo caminhoneiro começou a se corresponder por cartas com Maria Delci Ritt que ainda morava na região das Missões. Casou no dia 20 de julho de 1957.

Deste casamento nasceram os filhos: José Ademir, Elizete Luzia, Clarice Inez, Valdir Antonio, Solange Maria e Marcelo Miguel, que lhes deram 16 netos e dois bisnetos.
Em 1963, pensando em melhorar a produção da serraria trocaram a antiga serra Tissot por uma serra fita. Na noite da inauguração um incêndio destruiu totalmente a serraria. Foram meses de trabalho, dinheiro emprestado dos colonos, pois na época não existiam bancos e com muito sacrifício, coragem e determinação, em poucos meses, os irmãos reconstruíram a serraria e voltaram a trabalhar.

Em 1966 iniciou a construção da serraria em Palma Sola que se manteve funcionando até 1983. No início compravam pinheiros em troca de madeira serrada. Foram empreendedores, importaram um trator de esteira AD-20 direto da Itália. "Começamos a destocar a terra pra plantar soja. O pessoal me perguntava se eu era louco. Diziam que eu não tinha mais onde por o dinheiro e que essa terra de pinhal não ia dar nem um pé de milho. Eu dizia que podia não dar nada, mas que no futuro ia dar, e olha agora a terra boa que temos". No ano de 1969 a família Link introduziu a cultura da soja em Palma Sola.

Em 1969, preocupados com a escassez de pinheirais na região, juntamente com seu irmão Odilo Link foram conhecer o estado do Acre, onde adquiriram algumas áreas e instalaram uma serraria.

Em 1975, o irmão Odilo, homem visionário e muito dinâmico sofreu um acidente fatal e os projetos e planos no estado do Acre foram adiados e alguns abandonados.
Para suprir a falta do irmão Odilo, o irmão Danilo que na época era padre em São Miguel do Oeste por 10 anos, decidiu ir cuidar da serraria e dos investimentos no estado do Acre.
 
Agradecimentos

Na entrevista feita com Odalsi em julho de 2012 ele afirmou: "Sei que vou chegar no além de mãos e braços abanando, por isto ofereço tudo ao Sagrado Coração de Jesus. É um tipo de poupança e sei que todo dia eu aumento um pouquinho esta poupança. Ofereço a minha saúde, o meu trabalho, o amor, ofereço a doença, o sofrimento, ofereço tudo".

À época estes foram os seus agradecimentos:

"Agradeço a Deus pela saúde, pela vida e pelos 80 anos me concedidos. Agora imploro a Ele por mais saúde e mais alguns anos de vida. Também tenho que agradecer o meu querido Anjo da Guarda que me tirou duas vezes da morte, além de me proteger de alguns acidentes.
Agradeço a minha querida esposa pelo tempo partilhado ao meu lado. Ao carinho, a compreensão, o amor, a felicidade que ela me proporcionou. Agradeço pelo nosso casamento e agradeço a Deus pelos meus filhos e netos que são o futuro e um pouquinho de mim que fica para o amanhã".
 
Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »