21/06/2019 às 09h25min - Atualizada em 21/06/2019 às 09h25min

Jovens são os mais afetados pela piora do mercado de trabalho, e comprometem futuro da Previdência

Os jovens brasileiros estão sendo os mais afetados pela deterioração do mercado de trabalho. No primeiro trimestre deste ano, 41,8% da população de 18 a 24 anos fazia parte do grupo dos subutilizados - ou seja, estavam desempregados, desistiram de procurar emprego ou tinham disponibilidade para trabalhar por mais horas na semana.

Em números absolutos, são 7,337 milhões de jovens brasileiros subutilizados, o maior número já registrado desde que a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicilio (Pnad) começou a ser apurada em 2012 – destes, 4,26 milhões estavam desempregados, em busca de uma colocação, levando a uma taxa de desemprego entre esse grupo de 27,3%.

Historicamente, a subutilização de brasileiros de 18 a 24 anos é sempre maior no mercado trabalho, mas em momentos de crise essa tendência se agrava porque os jovens têm menos experiências e baixa qualificação. Portanto, são os mais vulneráveis aos momentos de crise.

E, com menos jovens entrando no mercado, cairá a contribuição para o sistema previdenciário, levando prejuízo ao sistema já deficitário.

O quadro mais difícil para os jovens fica evidente quando se compara o crescimento da população de subocupados de 18 a 24 anos em relação ao total dos brasileiros. Entre 2012 e o primeiro trimestre de ano, a fatia de subocupados na economia brasileira passou de 20,9% para 25%, enquanto entre os jovens de 18 a 24 anos o aumento foi de 30,1% para 41,8%.

 

“O mercado de trabalho continua restritivo, mas, sobretudo, para os mais jovens”, afirma o economista da Tendências e responsável pelo levantamento, Thiago Xavier.

 

'Disputa com os mais experientes'

 

"Olhando para quem entra hoje, a situação é complicada porque se depara com uma economia que não cresce, um mercado de trabalho com muita gente desempregada e pessoas sem experiência que concorrem com pessoas com qualificação que estão desempregadas e que topariam trabalhar por um salário menor", explica Juliana Inhasz, coordenadora da graduação em Economia do Insper.

"Antes se falava em substituir pessoas mais velhas por mais novas que topariam trabalhar menos, hoje o cenário mudou porque essas pessoas mais velhas topam ganhar menos", completa.

Segundo a especialista, houve uma redução na rotatividade do mercado, no que se refere à saída dos mais velhos e à entrada dos jovens. "Agora essa pessoa de 50 anos vai trabalhar até os 75 anos. Tudo isso dificulta a entrada do jovem no mercado de trabalho", diz.

Juliana Inhasz alerta ainda que, uma vez aprovada a reforma da Previdência, as pessoas terão que trabalhar por mais tempo para se aposentar – e isso cria uma concorrência maior dentro do mercado.

"O jovem não tem experiência e vai ter que começar a concorrer com pessoas que vão ficar mais tempo no mercado de trabalho."

Fonte G1


Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »