10/10/2015 às 08h55min - Atualizada em 10/10/2015 às 08h55min

O despertar da impotência juvenil

Campanha desenvolvida em Palma Sola busca conscientizar jovens sobre os perigos das doenças sexualmente transmissíveis

Analiza Vissotto
Palma Sola
ASO/Analiza Vissotto

“João amava Teresa que amava Raimundo que amava Maria que amava Joaquim que amava Lili que não amava ninguém...”, com esta linda quadrilha escrita por Carlos Drummond de Andrade, profissionais da Secretaria da Saúde de Palma Sola iniciaram a campanha municipal O despertar da impotência juvenil, que busca mostrar a jovens que estudam do 8º ano até o 3º ano do ensino médio, que eles não são páreos as doenças sexualmente transmissíveis – HIV e Aids.

“Nesta faixa etária alguns já iniciaram ou vão iniciar a vida sexual. Essa história do João é fictícia, mas com ela dramatizamos e mostramos que casos de transmissão de doenças sexualmente transmissíveis acontecem na vida real”, comenta a farmacêutica bioquímica, Laura Zandoná e a psicóloga Rafaela Três.

Segundo dados divulgados pela Organização Mundial da Saúde (OMS) no ano passado, a faixa etária que tem maior risco de contagio, atualmente, com doenças sexualmente transmissíveis e hepatites virais têm entre 15 anos até 25 anos. “É um grupo de risco”, alertam.

A ideia, do programa desenvolvido em Palma Sola, iniciou através de uma visita em que a psicóloga Rafaela, enfermeira Jucemari Appio Berti e a bioquímica Laura fizeram ao Departamento de Infecções Sexualmente Transmissíveis, de São Miguel do Oeste. “Após, apresentamos ao Poder Público a nossa ideia. O prefeito, Domingos Locatelli, abraçou a iniciativa, e a Prefeitura vem mantendo o projeto”, explicaram.

O projeto O despertar da impotência juvenil começou no dia 25 e 28 de setembro, quando as enfermeiras Liciane Dapper e Jucemari Appio Berti, junto do restante da equipe, foram até as escolas estaduais do município para falar sobre o risco das doenças sexualmente transmissíveis, diagnóstico e tratamento. “Mostramos fotos para sensibilizá-los, demos a eles um choque de realidade”, comentaram as profissionais afirmando que a receptividade foi grande. “Alguns jovens já nos procuraram após a palestra para terem mais informações”, afirmaram.

Dos dados apresentados nas escolas, o que mais chama a atenção é o aumento nos índices das doenças sexualmente transmissíveis em Palma Sola [veja na tabela]. “Este trabalho é algo emergencial, precisamos conscientizar a população”, assegurou a enfermeira Jucemari.

 

Índice de aumento de doenças sexualmente transmissíveis em Palma Sola

2011

62,5%

2012

112,5%

2013

162,5%

2014

206,3%

2015

606,7%

 

Após as apresentações nas escolas, foi proposto aos jovens que eles realizassem apresentações artísticas, através de teatro, música, jogral ou paródia. Os grupos podem ser formados pela turma toda, ou por algum representante. Uma pré-seleção será realizada pelas responsáveis pelo projeto da Secretaria de Saúde, nos dias 5 e 6 de novembro, onde serão selecionadas quatro apresentações da EEB Claudino Crestani, e duas da EEB Catharina Seger. A apresentação final acontece no dia 1º de dezembro, Dia Mundial de Luta Contra a Aids.

O Dia Mundial de Luta Contra a Aids será realizado no Pavilhão da Igreja Matriz, sendo que os prêmios serão: 1º lugar R$ 400; 2º lugar R$ 300 e 3º lugar R$ 200. “A intenção é instigar a criatividade desses jovens, mas ao mesmo tempo os fazer pensar sobre os riscos destas doenças”, finalizou Jucemari. 


Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »