28/10/2015 às 14h58min - Atualizada em 28/10/2015 às 14h58min

"Não vamos descansar enquanto uma única mulher for vítima da violência", diz deputada Luciane

Divulgação

A deputada estadual Luciane Carminatti repercutiu em plenário na tarde de terça-feira (27) a polêmica que envolveu o Brasil no Exame Nacional de Ensino Médio (Enem) no último fim de semana. De acordo com a parlamentar, mais de 7 milhões de estudantes, dos quais 57% população feminina, precisaram refletir sobre o espaço que a mulher ocupa na sociedade e, mais que isso, falar sobre um tema que ainda é muitas vezes silenciado ou ignorado: a violência contra a mulher.

A frase da escritora e feminista francesa, Simone de Beauvoir, “Não se nasce mulher: torna-se mulher", foi um dos assuntos mais comentados nas redes sociais, assim como o tema da redação, que abordou a violência. Luciane salientou que na obra "O Segundo Sexo", de 1949, Beauvoir trazia à tona a existência de uma sociedade machista, onde os direitos da mulher era secundários. Não tinham direito à herança, nem ao voto, nem ao estudo.

"A impressão que tenho é que estamos voltando a 1949, quando observamos tantas pessoas serem contra debater este tema ou quando políticos apresentam propostas que tiram direitos das mulheres", afirmou a deputada, referindo-se ao PL 5069/2013, de autoria do presidente da Câmara dos Deputados Eduardo Cunha, que proíbe o atendimento no SUS às vítimas de violência sexual. "Infelizmente, a matéria avança no Congresso e representa um recado da parcela conservadora da sociedade. É um retrocesso absurdo diante das conquistas das mulheres nos últimos anos".

Conforme pesquisas, em mais de 70% dos casos de violência contra a mulher, o principal agressor é quem está mais próximo da vítima; Dos atendimentos registrados no ano passado, 80% das vítimas tinham filhos, sendo que 64% presenciavam a violência  e 19% eram vítimas diretas juntamente com as mães; 74% das entrevistadas afirmam ter recebido um tratamento diferente em sua criação, por serem mulheres. "Não podemos ignorar os mais de 485 mil pedidos de ajuda solicitados à Central de Atendimento à Mulher – o Ligue 180, em 2014. São 1400 brasileiras pedindo proteção ao Estado todos os dias", disse Luciane.


Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »