08/03/2021 às 13h41min - Atualizada em 08/03/2021 às 13h41min

Especial Dia da Mulher: A autoestima como chave para a felicidade

Mulher, mãe, esposa e profissional. Perfis que fazem parte de Cláudia Dondé, que festeja o Dia da Mulher ao lado da família e de seu filho Pedro Lucca

Da redação
Mulher, mãe, esposa e profissional. Com força e sorriso no rosto, a palmassolense e personal trainer, Cláudia Dondé, popular Dinha, de 29 anos, desempenha diversas funções ao longo do dia e afirma que a autoestima é um ponto fundamental para ser feliz e fazer as outras pessoas felizes. Em seu tempo livre, gosta de ficar com a família e cuidar do seu pequeno Pedro Lucca, que acaba de completar sete meses de vida. Sabe que todos têm problemas, mas que o mais importante é como cada um decide encará-los. Em entrevista ao Sentinela, comenta algumas das temáticas que envolvem o universo feminino. Acompanhe a entrevista:
 
Em sua opinião, o que as mulheres têm para comemorar neste dia 8 de março?
O simples fato de ser mulher já é especial e motivo suficiente para comemorar, pois devemos nos orgulhar disto. Estamos passando por um tempo difícil, de pandemia, mas acredito que precisamos nos alegrar e festejar, não da forma como queríamos, mas estar com a família e de bem com nós mesmas. Devemos também prezar por nossa saúde, qualidade de vida e buscar sempre nosso melhor. Além disso, temos muito a agradecer.
 
Acredita que a falta de autoestima é um problema em nossa sociedade? Se sim, como mudar esta realidade?
A autoestima define como nos vemos. A falta dela é um problema, sim, pois muitas vezes queremos apenas agradar os outros. Precisamos parar de olhar para os defeitos e nos enxergarmos lindas. Nos dias atuais, todas buscam o corpo perfeito, sejam elas novas ou mais velhas. Está muito em alta a busca por qualidade de vida, onde praticamente todas praticam exercícios físicos, mas sempre visando a estética.
Para mudar essa realidade, vendo num todo, prezando o ritmo de vida que todas têm, sendo dona de casa, mãe, esposa, profissional, acredito que seja necessário uma rotina, um planejamento de vida. Precisamos encontrar nosso equilíbrio corporal, dormir e nos alimentar adequadamente, cuidar das nossas responsabilidades da melhor forma e tentar, sempre, priorizar nós mesmas, cuidar de nós. Parece difícil, mas aos poucos vai dando certo.
 
O que é beleza para você?
Beleza é conteúdo. É se sentir bem consigo mesma, independente de altura, cor, raça ou crenças. Acredito que ela não se encontra no espelho. Está em ser educada, humilde, em saber conversar e respeitar o próximo.
 
Como professora de Educação Física, como avalia a busca pelo corpo perfeito?
Frustrante. Na verdade, isso não existe. Acho que o que existe é a busca em se sentir melhor, de estar de bem com o corpo e a mente. A falta de autoestima faz com que as mulheres se vejam com outros olhos, sendo afetadas pela balança, pela vida, pelas coisas que não conseguiram conquistar, ou até pelas que conseguiram. Todas idealizam um corpo magnífico, mas não pensam que o que precisamos é ter nossa mente em harmonia. Isso é relativo com cada pessoa, muitas desejam emagrecer, mas não se dedicam constantemente.
Nosso psicológico nos afeta bastante. Se não estivermos bem mentalmente, não conseguimos ter bons resultados. Precisamos de uma rotina, de um bom descanso corporal e mental, de uma alimentação equilibrada e de objetivos concretos. Há muitas pessoas que caem nos caminhos mais fáceis na alimentação; produtos em pacotes, coisas prontas... Acredito que estar bem psicologicamente já ajuda muito.
 
Pesquisas demonstram que as mulheres ainda são as que mais sofrem com sentimento de culpa. Como conciliar as tarefas de mãe, esposa e profissional?
Eu costumo me doar muito, faço 24 horas virar 48. Eu me dedico de corpo e alma a cada coisa, no momento certo. Quando é para ser mãe, sou 100% mãe, e é assim em todas as áreas. É claro que a culpa, essa cobrança feita por mim mesma, às vezes existe. É algo normal quando queremos nos doar ao máximo. Ser mãe é uma experiência fantástica, mas muda tudo em nossa vida. Trabalhar com pessoas nos modifica constantemente também, porque ouvimos sempre novas histórias, vemos novos rostos, e com os dias, vamos tomando posse disso tudo, amadurecendo e criando vínculos.
 
No Dia Internacional da Mulher, quem gostaria de homenagear?
Todas as mulheres, especialmente as da minha família, que fazem parte da minha vida. Desejo que passem, não só esse dia, mas todos os outros, muito bem. Precisamos superar as dificuldades, sejam elas da pandemia, da família, do trabalho.
 
Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »