12/03/2021 às 17h07min - Atualizada em 12/03/2021 às 17h07min

Associação de futsal completa dois anos

A Associação Palma Sola de Futsal (Apasf) foi registrada em 2019. Em entrevista ao Sentinela, a diretoria confirmou o crescimento do projeto

Da redação
A Associação Palma Sola de Futsal (Apasf) projetada com o intuito de melhorar o nível dos atletas palmassolenses, aprimorando seus treinos, viagens e outras atividades, está completando dois anos de criação. Motivo de alegria para a diretoria, que, em entrevista ao Sentinela, comemoraram as conquistas alcançadas ao longo dos campeonatos, além de declarar as dificuldades submetidas pela pandemia, que fez de 2020 um dos piores anos para o setor esportivo, em todo o planeta.
De acordo com o presidente do clube, Rodrigo Gritti, esse projeto visa o papel social do esporte na mudança de vida de crianças e adolescentes, com idades de 6 a 18 anos. “A partir de 2013, as equipes de futsal do município começaram a ser mais competitivas, regional e estadual, representando a escola Claudino Crestani nos Jogos Escolares de Santa Catarina. Durante cinco anos, tivemos muitas conquistas em fases escolares, copas e campeonatos municipais, isso fez nosso município ficar conhecido”, conta salientando que o futsal almejava autonomia, além da colaboração de patrocinadores.
Para ele, esse projeto é totalmente inovador: “o criamos como forma de não depender 100% da prefeitura. Claro que sem ela, não funcionaríamos. A diferença é que tudo que é comprado pela prefeitura, precisa passar por licitação. Já com a associação, conseguimos comprar com o dinheiro que temos em caixa, sem muita burocracia. E a prefeitura nos auxilia com transporte, alimentação dos atletas, salário dos professores e nos sede os ginásios para treinos e jogos”, explica.
 
Rendimento
Buscando alcançar crianças, jovens e adultos, sendo eles do interior ou da cidade, o projeto tinha em mãos a meta inicial de trabalhar com 300 atletas, abrangendo todas as classes sociais, em especial a população mais carente. Inicialmente, tendo categorias de base masculina e feminina. Segundo o professor Cristiano Bieger, responsável pelo rendimento dos atletas, por enquanto, a Apasf comporta 170 inscritos, apenas meninos. “Nosso futsal passou a ter mais resultados, mais apoiadores e pais a disposição. 2019 foi um ano incrível, tivemos entrada de novos atletas, muitas vitórias. Diferente de 2020, que só participamos e ganhamos uma copa on-line”, completa.
A agremiação conquistou muitos títulos importantes, com destaque a participação na Liga Catarinense e chegada pela primeira vez ao Estadual Escolar. Portanto, do ano passado para cá, os atletas apenas treinaram. Os destaques de 2020, foram a realização da Live do Bem, em prol de Ademir de Lara, popular Dimi, e a vitória em uma copa on-line, promovida pela Joni Gool, de São Miguel do Oeste.
“Em 2019 também conseguimos realizar a 1ª copa Palma Sola, onde tivemos um resultado positivo, com relação a organização. Ano passado já estava tudo organizado para ter novamente, mas, uma semana antes, tivemos que cancelar”, explica Rodrigo ressaltando que o último ano foi marcado pelo trabalho nas redes sociais, em que todos os patrocinadores foram divulgados constantemente. “Fim do ano conseguimos fazer treinos com os maiores de 16, com time reduzido”, completa.
 
Um novo projeto
A associação conta com o envolvimento de secretarias municipais, clubes de serviços, empresários, cooperativas de crédito e diversos outros setores, que possuem seus logotipos estampados nos uniformes e materiais de divulgação. Referente as expectativas para esta temporada, ambos afirmaram que haverá a projeção de uma nova Apasf, buscando dar mais condições de desenvolvimento aos atletas. Seguindo o foco da criação, pretende-se, na aplicação prática e teórica, continuar forjando atividades que desenvolvam um elo entre a comunidade.
Conforme Gritti, este novo planejamento deixa claro os objetivos desejados para os próximos anos, mostrando transparência nas atividades. “Não queremos somente chegar no patrocinador e pedir dinheiro. Queremos mostrar nossos objetivos, o que vamos correr atrás”, diz. Já para Bieger, este projeto é social e busca dar oportunidade a todas crianças. “Queremos também dar uma maior visibilidade aos nossos patrocinadores”, esclarece.
 
“Jogadores em busca de novos ares”
É desta forma que Cristiano acrescenta sobre a saída de alguns de seus atletas para outros clubes. Segundo ele, pelo menos seis assinaram novos contratos. “Sempre incentivamos, na medida do possível, todos nossos alunos. Nosso objetivo não é formar atletas, e sim cidadãos. Mas claro, se tem a oportunidade deles saírem para outros lugares, apoiamos”, destaca salientando que o atleta Giovani Pauletti foi um dos primeiros a conhecer um novo clube, jogando pelo Guarani Palhoça, mas retornou.
Diferente dele, Vitor Maurer está defendendo o futebol de campo do Caxias. Enquanto os gêmeos Luiz Felipe e Luiz Henrique Reginatto jogando pelo adulto do Carlos Renaux, de Brusque. Marlon Peppe também acabou de ingressar na equipe adulta da Associação Maravilha, onde jogará a Liga Catarinense. O goleiro Jeferson Ribeiro, que já tinha ido no passado, e com a pandemia retornou, ingressou novamente a equipe adulta de Palmitos. Ademais, o sulflorense Cássio Perondi, que defendeu a Apasf nas últimas temporadas, acabou de fechar contrato com a Joni Gool.
“Ficamos muito felizes! Isso mostra que o trabalho que estamos fazendo está dando resultado, e eles estão conseguindo tornar realidade o sonho de quem sabe um dia serem profissionais”, frisa finalizando que não há perspectiva para o retorno dos treinos neste semestre.
Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »