Sentinela do Oeste Publicidade 1200x90
14/05/2024 às 00h00min - Atualizada em 14/05/2024 às 00h00min

Vai passar...

Voluntários do município estiveram em Encatado-RS. Eles contam como foi a passagem pelo estado, trazendo relatos de dificuldades, cooperação e esperança

Palma Sola
Da Redação
Divulgação
Palmassolenses se organizam e vão até o Rio Grande do Sul para ajudar os gaúchos atingidos pelo maior desastre climático da história do estado. O grupo de 18 pessoas saiu de Palma Sola na sexta-feira, dia 10, com um caminhão furgão, um motorhome e mais três veículos, rumo à cidade de Encantado-RS, com o objetivo de preparar refeições para as vítimas das enchentes, entregar doações e auxiliar na limpeza das casas.
Além do grupo que se organizou através do convite dos integrantes do Jeep Club Palma Sola, o empresário Luiz Henrique Crestani, através da Luke Group, mobilizou 25 caminhões carregados de donativos de toda a região; os caminhões levaram mais de 400 toneladas de donativos a diversas cidades do Rio Grande do Sul. Ainda na semana passada, a prefeitura municipal, Lions Clube, ACEPA/CDL, demais empresas e entidades se mobilizaram para ajudar através da campanha SOS Rio Grande do Sul, também com alguns milhares de quilos de donativos.
 
Relatos de quem esteve no RS
O grupo estava organizado para servir as refeições e limpar as casas. Foram montadas três frentes de trabalho, uma para o fornecimento de marmitas, aos munícipes que estavam realizando a limpeza das residências atingidas. Outras duas ficaram com a distribuição de donativos (kits de limpeza, água, cestas básicas, cobertores, roupas, calçados e itens de higiene pessoal) e ajudaram a remover a terra de dentro das casas.
“De uma casa de 60 metros quadrados, chegamos a tirar mais de 10 metros cúbicos de terra”, relata Daniel Delevatti, diretor de Defesa Civil de Palma Sola, que também acompanhou o grupo que foi a Encantado. 
Sobre as condições das cidades, o grupo relata que com a ocorrência de diversos deslizamentos, solo e árvores foram parar dentro dos rios e as casas e lotes estavam repletos de barro. “A maioria dos atingidos perdeu tudo o que havia dentro das casas, ao percorrer a cidade víamos incontáveis aglomerados de móveis empilhados em frente às residências, muita gente perdeu tudo, havia casas de cabeça para baixo, locais em que a água cobriu completamente às residências e locais que não sobrou absolutamente nada”, conta Daniel.
Sobre o que foi mais marcante, o grupo informa que é difícil expressar, conforme eles, não existe modo de descrever o tamanho dos danos causados e a tristeza no semblante das pessoas: “Somente indo lá pra saber”, afirmou o grupo.
Durante o sábado o grupo conseguiu cumprir com o planejamento inicial, porém no domingo, por conta das chuvas, e o risco de um novo alagamento, foi necessário ajudar a realocar as famílias. “Ao invés de ajudar a reconstruir, ajudamos eles a fugirem de uma nova enchente”, esse é o relato do jipeiro Tiago Bianqueto, que esteve na cidade de Encantado.
“Estou com 71 anos e nunca vi nada parecido. Lá em Encantado precisa mais de 500 carretas só para carregar e levar embora as árvores e galhos espalhados pela cidade. Dá dó de ver aquele pessoal, muita gente sem ter nem casa pra voltar. Graças a Deus tem muita gente fazendo doações e ajudando, mas vai precisar muito mais” afirmou o aposentado e ainda motorista, Alderi Vissotto.
Com a volta da chuva forte no domingo o grupo a levar pessoas, doações e até mesmo carros, para lugares mais altos, fora da zona de risco. “É algo muito forte, a população fica perdida, sem saber o que fazer. O pessoal que está ali já chega mandando o povo sair da casa, pegar o que puder e ir. É muito triste”, reforça.
Na volta para Palma Sola, o grupo saiu pelo interior da cidade de Encantado, no acesso de Nova Bréscia – demais acessos já começavam a alagar. No trecho de cerca de 40 quilômetros de estrada de chão, o grupo passou por Relvado e Putinga. Pouco tempo depois que o grupo passou, a estrada foi fechada, vários trechos estavam em risco de desmoronamento.
Apesar das dificuldades, sempre há esperança. Quem esteve no Rio Grande do Sul, também traz relatos de solidariedade, de cooperação e principalmente, de esperança. A água vai baixar e será possível recomeçar.
Há uma forte movimentação dos três estados do Sul e do Brasil em prol do RS nesses momentos de necessidade. “Tinha muitas pessoas como nós, que estavam ajudando. Muitos voluntários trabalham na distribuição de alimentos e água”, informa o vice-prefeito, Marcio Sansigolo. Além do trabalho dos voluntários, pessoas de todo o país estão encaminhando doações, seja de alimentos, água, roupas, cobertores ou dinheiro. 
É possível continuar ajudando o Rio Grande do Sul, entidades em Palma Sola e em toda a região continuam arrecadando donativos preferencialmente kits fechados para limpeza, higiene pessoal, cestas básicas fechadas, além de água potável, cobertores e roupas de cama. Em Palma Sola, os donativos podem ser entregues na prefeitura municipal e ACEPA/CDL. Os itens serão enviados através da AMEOSC – Associação dos Municípios do Extremo Oeste de Santa Catarina.
“Queremos agradecer aos munícipes de Palma Sola, que encaminharam donativos, que forneceram seus caminhões para o transporte, aos que receberam e separaram os donativos, e todos que dedicaram seu tempo para ajudar o próximo”, agradece Daniel Delevatti, em nome do grupo de voluntários.
 
Encontrou algum erro? Clique aqui.

Receba as notícias do Portal Sentinela do Oeste no seu telefone celular! Faça parte do nosso grupo de WhatsApp através do link: https://chat.whatsapp.com/Bzw88xzR5FYAnE8QTacBc0
Siga nosso Instagram: https://www.instagram.com/jornalsentinela/

Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Sentinela do Oeste Publicidade 1200x90