17/07/2020 às 13h26min - Atualizada em 17/07/2020 às 13h26min

Palmassolense se queixa da dificuldade em conseguir cloroquina

Richard Crestani já está recuperado do coronavírus e justifica que só não ficou internado porque usou cloroquina

Sem nenhum medicamento especialmente desenvolvido para o tratamento contra o novo coronavírus (SARS-CoV-2), pacientes em situações graves, como os internados em Unidades de terapia intensiva (UTIs), têm sido tratados de forma experimental com medicamentos off-label. Isso significa que o seu uso se difere do que consta na bula, e entram nessa classificação tanto a cloroquina quanto a hidroxicloroquina, combinadas com o antibiótico azitromicina.
Nas últimas semanas, a opinião pública discutiu muito as duas drogas, ainda com poucos estudos clínicos para o seu efeito no coronavírus. Frente à pandemia, a história dessas medicações começa a partir de situações em que o uso auxiliou pacientes internados pela COVID-19 a se recuperarem, de acordo com um estudo francês e outro chinês. Agora, pesquisadores no mundo todo investigam o verdadeiro potencial no tratamento contra o novo coronavírus.
 
Cloroquina X Hidroxicloroquina
Tanto a cloroquina quanto a hidroxicloroquina são dois medicamentos, atualmente, autorizados para tratamentos contra a malária e determinadas doenças autoimunes, como lúpus e artrite reumatoide. Embora sejam duas drogas "diferentes", a hidroxicloroquina é derivada da cloroquina. Por isso, no organismo humano, as duas têm a mesma função, são do mesmo grupo de moléculas e o que as difere são os seus efeitos colaterais.
Com mais efeitos adversos no uso a longo prazo, a cloroquina tem sido mais indicada, historicamente, no tratamento de malária, ou seja, em situações pontuais. Já a hidroxicloroquina é indicada, na maioria das vezes, para pessoas que sejam portadoras de doenças autoimunes. Isso porque terão um uso prolongado do medicamento e, por isso, geralmente, usam a hidroxicloroquina — que tem efeitos colaterais mais brandos.
 
Há cloroquina na região?
Em três dos seis municípios de circulação do Sentinela, há cloroquina – remédio que vem sendo utilizado no tratamento de pacientes com coronavírus. Em Campo Erê há tanto no hospital, quanto na Secretaria de Saúde – já utilizada no tratamento de pacientes com Covid-19, com lúpus e com artrite reumatoide.
Em Guarujá do Sul e Palma Sola há cloroquina apenas no hospital – o hospital de Guarujá ainda não precisou usar cloroquina. Já no hospital Palma Sola, segundo informações do médio Juarez Pinto de Oliveira, em situações de pessoas internadas ou em tratamento está sendo utilizado cloroquina, hidroxicloroquina, azitromicina, ivermectina e corticoide.
Em São José do Cedro, Anchieta e Flor da Serra do Sul não há cloroquina disponível na rede pública ou privada. Todas as Secretarias de Saúde e hospitais dos municípios catarinenses, receberam 150 mg em comprimido do medicamento, por meio de uma entrega que será realizada pela Ameosc – ação iniciada pelo governo de Santa Catarina, por meio da Secretaria do Estado de Saúde (SES).
 
Palmassolense com Covid-19
O engenheiro agrônomo Richard Crestani foi contaminado com o novo coronavírus ainda no mês de junho. Uma pessoa próxima a Richard o informou que estava com o coronoavírus, por conta própria Richard fez um exame num laboratório em Francisco Beltrão e por conta própria seguiu um dos protocolos indicados pelo presidente Bolsonaro, que manda utilizar cloroquina nos primeiros sintomas. “Fiquei muito preocupado com a falta do remédio no município. Se eu não tivesse tomado cloroquina, talvez teria internado” revela.
A esposa de Richard, também foi diagnosticada com coronavírus. “Os sintomas são bem específicos desta doença. Não foi fácil não. Começamos a tratar bem no início, nos primeiros sintomas” explica Richard defendendo o uso da cloroquina e hidroxicloroquina.
 
Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »