08/03/2021 às 14h05min - Atualizada em 08/03/2021 às 14h05min

Especial Dia da Mulher: Sou mãe, mas também mulher...

As oito fases da mulher atual

Da redação
Como bem sabemos, a sociedade evoluiu desde a época em que os afazeres domésticos eram pura e simplesmente tarefas destinadas a mulher. E mudou ainda mais, desde que puderam ter liberdade para disputar espaço no mercado de trabalho, transpondo as barreiras do papel de ser apenas esposa, mãe e dona do lar. E é graças às investidas femininas sobre o poderio masculino do início da década de 1970, que hoje são duas mulheres que redigem esta reportagem.
É fato, de lá para cá muita coisa mudou, mas há ainda um grande caminho a ser percorrido em meio à constante busca por igualdade de gênero, direitos e principalmente por respeito. E é assim, com a finalidade de deixar clara a importância e legitimidade do poder de escolha de cada mulher, por sobre seu contexto e seus objetivos de vida, que o jornal Sentinela escolheu contar oito diferentes histórias, de mulheres palmassolenses, que simbolizam o empoderamento feminino.

- Sou mãe, mas também mulher...
Já está mais do que provado que as mulheres são perfeitamente capazes de cuidar de si, de conquistar aquilo que desejam e de provocar mudanças profundas no curso da história. Quando o assunto é família, sempre receberam o crachá de titulares do lar, seja por habilidade ou imposição. Para a professora de Ciências e Biologia, Isabel Luft, de 29 anos, esposa e mãe do pequeno Iago, o desafio de cuidar de um filho chegou de repente, ao lado de uma felicidade incompreensível. “A maternidade muda totalmente a nossa vida. É como se tivesse uma vida antes disso, e agora ter outra. Minha visão de mundo está diferente. Sou mais preocupada, porque tudo não diz respeito apenas a mim, mas também ao meu filho”, comenta. Em sua opinião, entre as maiores dificuldades de ser mulher, está o fato de não ser ouvida em determinados espaços. “Trabalho em uma escola, com outras mulheres, mas também com muitos homens. Ministro aulas a alunos já adultos. Às vezes é muito difícil se fazer ser ouvida. Há momentos em que opino sobre algo e percebo diversas reações: ‘como assim? Está querendo se impor?’. O modo como se ouve uma opinião masculina é diferente de como se ouve uma feminina”, ressalta frisando que almeja seguir estudando e atuando na sua área. “Não é porque me tornei mãe que vou deixar de ser mulher e ter os meus sonhos! Desejo trabalhar e batalhar o quanto puder para dar o melhor ao meu filho e meus alunos, que fazem parte de minha vida profissional”, completa. Para ela, o Dia da Mulher também serve para refletir sobre como estamos tratando as mulheres da sociedade. “Fica essa reflexão. Não é só dar a flor ou o carinho, é pensar em como estou tratando as mulheres da sociedade”, finaliza.
 
Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »