10/03/2021 às 13h49min - Atualizada em 10/03/2021 às 13h49min

Familiares elaboram rifa para construir casa de irmãos

Familiares de Evandra e Adilson Puntel, sensibilizados pela situação de ambos, elaboraram uma Ação entre Amigos para construir uma nova residência

Da redação
Evandra Puntel, de 23 anos, ao lado do irmão Adilson, popular Maninho, de 27, viviam numa casa de madeira, em péssimas condições, na comunidade de Vargem Bonita, interior de Anchieta. Familiares, sensibilizados pela situação, elaboraram uma Ação entre Amigos para construir uma nova residência.
Ambos lidam com a perda do pai, que se suicidou há pelo menos um mês, motivado pelo suicídio da esposa, mãe de ambos, ocorrido há 14 anos. Infelizmente, nenhum trabalha. Questionados sobre o motivo de não desejarem sair da localidade, relatam almejar apenas a construção de uma nova estrutura, já que a antiga era velha, grande demais para os dois e local onde os pais cometeram suicídio, destacando que no local, estão suas raízes, seus motivos para continuarem vivendo.
A antiga casa era de madeira, tendo três quartos, sala, cozinha, despensa, área e porão, com banheiro na parte de fora. Possuía 50 anos, dos quais, aproximadamente 30, moraram no local. Residiam os pais, Alcides e Fátima, ambos e a irmã mais velha, que agora mora no Rio Grande do Sul. A obra já está tomando forma, com previsão de dois meses para ser finalizada, precisando apenas de móveis, algo que a família quase não detém.
 
Perda dos pais
Os pais trabalhavam como agricultores para sustentar a família, levando uma vida difícil. Quando os filhos eram ainda crianças, Fátima desenvolveu uma forte depressão, levando-a a diversas tentativas de suicídio, das quais ficou internada e passou a fazer uso de medicação; porém, no ano de 2007, suicidou-se.
Com muita dificuldade, Alcides e os dois mais novos, foram seguindo suas vidas, mas, em decorrência do acontecido, desenvolveram doenças. Evandra apresentou sintomas psicóticos, sendo internada. Agora segue em tratamento psiquiátrico contínuo e necessita cuidados constantes. Adilson apresentou obesidade e pressão alta, enquanto o pai, alcoólatra, desenvolveu uma forte depressão. Foi internado e fez uso de medicação para tratar o alcoolismo, considerado pela Organização Mundial da Saúde (OMS), uma doença crônica. Porém, há pouco mais de um mês, suas condições também o levaram ao suicídio.
Desamparados, os irmãos viviam do aposento do pai, mas, no momento, não recebem nenhuma renda mensal. Segundo Maninho, o ganho está baseado no arrendamento de um pedaço de terra, no qual recebem como pagamento o milho que serve para alimentar os animais, além da plantação de fumo e dos alimentos para consumo próprio. Salienta que nunca trabalharam como funcionários, somente nas atividades da propriedade.
Diferente da irmã, que se formou no ensino médio, cita que estudou até a 8ª série, escolhendo cuidar da família. “Evandra herdou a mesma doença da mãe, precisando tomar cinco remédios antidepressivos por dia, além de participar do Cras e da psicóloga. Eu apenas tomo medicamento para pressão alta, por causa do meu peso”, relembra.
 
Construção da nova casa
Adilson declara que sempre almejou a construção de uma nova residência, trabalhando em excesso para isso. “Sempre chovia dentro de casa e já tínhamos as madeiras serradas e guardadas, e até tínhamos um dinheiro guardado, mas sempre acontecia alguma coisa e aquele dinheiro acabava sendo gasto e nunca chegava para poder construir ou reformar”, esclarece ressaltando que com o falecimento do pai, os familiares próximos resolveram tomar frente e realizar essa campanha, que já mobiliza a região.
A ideia é demolir a atual casa e reconstruí-la reutilizando o máximo possível dos materiais, fazendo uma casa mais pequena e acessível para os dois. Para que a reconstrução seja concluída, pedem a solidariedade de todos, para que ajude-os comprando números e concorrendo a prêmios na rifa, ou fazendo doações em dinheiro, de móveis, ente outros.
Mari, responsável pelo projeto, explica que resolveu tomar a frente dessa realização para poder tirar essas lembranças dos primos. Questionada sobre o motivo dessa campanha demorar a acontecer, centraliza que Alcides não permitia mudanças na residência. “O finado tio nunca aceitava muito ajuda, nem pedia. Com a morte da Fátima, foi falado de construir, mas para ele estava bom assim. Muitas vezes, o Maninho tinha ideias diferentes que o pai era contra, e como filho nunca foi contra a vontade do pai, assim ficando parada as coisas”, sobressai concluindo que já arrecadaram materiais de construção, o bastante para a nova casa. Buscando ainda os móveis.
 
Para ajudar
Você pode colaborar com a Ação entre Amigos que está disponível nos comércios: Mariê calçados; Borracharia Lima; Espaço Carina Baronio (com a Vete); Fejú malhas; Salão Gi Gasparetto cabeleleira; Enxovais Doce Encantos; Edila unhas; Victor Móveis; Mercado Zamin e Tomas (Lúcio); Farmácia popular da Dani; Posto Avenida; BL fibras; Paróquia; Pizzaria e bar Milita e com a professora Edineia Carneiro.
Para doação em dinheiro, pode fazer diretamente na conta BB de Adilson Puntel: Conta corrente: 14.536-X / Agência: 1439-7 / CPF: 080.013.159-24. Haverá prestação de contas de todo o valor ou bens recebidos, de maneira transparente. O sorteio dos prêmios será realizado no dia 25 de abril. A família agradece pelo envolvimento!
Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »