22/07/2020 às 08h47min - Atualizada em 22/07/2020 às 08h47min

Uma vida dedicada aos mais humildes

Histórico de Sergio Melz, de 57 anos, padre que deu continuidade aos trabalhos de Romualdo Zimmer na paróquia São José, onde celebrará 29 anos de ordenação

Nascido em 8 de novembro de 1962 na Linha Fátima, interior de Itapiranga, Sergio Melz é o oitavo filho de doze irmãos do casal Hugo e Astha. Desde a infância dedica-se a igreja católica; participou de grupos de jovens, grupo de liturgia e de clubes vocacionais. Um dos marcos de sua vida e motivo para se tornar pároco, foi a peste suína africana de 1989.
“Tive uma infância tranquila, morávamos no interior e participava de times de futebol. Em 1989, junto da peste, muitos porcos foram mortos. Um dos vizinhos que tínhamos na época perdeu toda a sua criação, que era composta por quase 400 suínos. Eu era jovem e fui até o local para ver, eles estavam cheios de sangue e assim que as pessoas ao redor se afastaram, eles incendiaram o lugar, mas os bichos ainda não estavam totalmente mortos e começaram a gritar. Depois eles enterraram, mas para os que moravam perto ficou o cheiro. Esse e outros acontecimentos parecidos foram me marcando e com isso fui amadurecendo”, conta.
Segundo Sergio, aos 22 anos entrou no seminário, logo após ser surpreendido pela humildade e simplicidade de um padre que visitou o clube vocacional do qual participava. “Me formei no ensino médio e depois fiz faculdade de estudos sociais, logo após, comecei a estudar especificamente os conteúdos filosóficos. Minha família sempre foi envolvida na igreja, rezávamos antes do alimento e o terço à noite. Eles sempre incentivavam a seguir esse caminho e eram bastante esportivos. Quando entrei no seminário sofri bastante com isso, pois tive que deixar daquele espírito cheio de energia e passar a conviver em ambientes mais regrados e quietos”, complementa.
 
Ordenações
Aos 29 anos, no dia 6 de outubro de 1991, foi ordenado diácono no Bairro Santo Antônio de Chapecó. No dia 29 de fevereiro do ano seguinte, foi ordenado presbítero na paróquia Santíssima Trindade de Tunápolis, onde sua primeira missa foi celebrada na paróquia Nossa Senhora de Fátima, localizada na Linha Fátima, interior do município. Seu lema de ordenação é: “Eu vim para que tenham vida em abundância” (Jo. 10,10).
Em 1992 a 1996 trabalhou como vigário na paróquia São Daniel em Seara-SC. Já em 1997 a 2000 trabalhou como pároco na paróquia Nossa Senhora das Graças de Palma Sola. Logo após, em 2001 a 2006, voltou a trabalhar na paróquia São Daniel, agora como pároco. De 2007 a 2016 trabalhou como pároco na paróquia São Pedro Apostolo em Ita. E desde 2017, trabalha como pároco na paróquia São José em São José do Cedro, onde da continuidade aos trabalhos do padre Romualdo Zimmer [falecido em 2019]. “Cada lugar que passei tem sua realidade e sua cultura, onde é preciso se adaptar, levando consigo as melhores lembranças e inspirações. Romualdo foi um grande e acolhedor pároco quando cheguei no Cedro e uma grande inspiração para que eu seguisse por aqui”, ressalta.

Pandemia
“Estamos vivenciando um tempo muito difícil, vemos que muitos ainda não tomaram consciência dessa realidade e percebo que ainda vai longe. Como vivemos da comunidade e das missas, o momento está bastante complicado; principalmente na morte de alguém, em que não pode ser feito a despedida que vínhamos fazendo. Estamos realizando as missas com transmissões em duas rádios, temos a oração da Ave Maria que acontece todos os dias e temos um programa que sempre ficamos noticiando. Iniciamos com a presença do público, mas tudo muito restrito”, enfatiza.
A espiritualidade aumentou?
“Vejo que as pessoas sentem saudade da missa presencial, mas participam das online. Possuem sede de Jesus. A maioria das famílias estão se reunindo mais vezes para rezar. Estamos fazendo um grande esforço para poder celebrar, possivelmente retornaremos aos restritos, mas devemos seguir os decretos proporcionados pelo bispo da nossa diocese e do estado. Estamos pensando em organizar horários específicos para que as pessoas do interior possam vim celebrar”, finaliza.
 
Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »