14/01/2021 às 09h32min - Atualizada em 14/01/2021 às 09h32min

“O medo é a fraqueza do homem”

A frase acima é de Silvio Mariano Pimentel, falecido na manhã desta quarta-feira, por causas naturais. A Prefeitura Municipal de Flor da Serra decretou luto oficial de 3 dias em virtude de seu falecimento

Da redação
Na manhã de quarta-feira, Silvio Mariano Pimentel, faleceu por causas naturais no hospital Palma Sola. Silvio estava com 91 anos de idade e há dez sofria do Mal de Parkinson. O prefeito de Flor da Serra do Sul decretou luto oficial de três dias no município, durante este período as bandeiras ficarão a meio mastro.
 
Histórico
Silvio Mariano Pimentel nasceu em 10 de janeiro de 1930, chegou no município de Flor da Serra do Sul no ano de 1960, casou com Vanilda Thives ainda Clevelândia-PR, em janeiro de 1961 se mudou definitivamente para o então distrito de Flor da Serra.
Pimentel chegou em Flor da Serra do Sul quando ali só existiam 6 casas, as primeiras noites pernoitou na casa da tia Amélia. Ajudou a construir a primeira igreja, num dos pontos mais altos da cidade, próximo ao colégio estadual. Também auxiliou a construir a Igreja Matriz, ainda de maneira, que antecede a atual igreja de alvenaria. Silvio também auxiliou a construir a primeira escola de Flor da Serra do Sul, Escola Nei Braga, próximo a Casa Mortuária.
Foi uma das pessoas a reivindicar energia elétrica para Flor da Serra, na época distrito de Salgado Filho. Ajudou na fundação e construção do primeiro CTG de Flor da Serra do Sul, onde foi patrão por duas gestões. Foi subdelegado de polícia em Flor da Serra e uma das pessoas que também contribuiu com a municipalização de Flor da Serra do Sul.
Sempre foi um sujeito destemido, trabalhador, que se orgulhava em ter construído seu patrimônio com o suor do trabalho. Frequentemente falava: “O medo é a fraqueza do homem”.
Netos lembram dele como uma pessoa exigente, enérgica, sempre defendendo valores como honestidade, caridade e ser correto com o próximo.
“Vem aqui, vou te pagar”, esta foi uma das frases lembrada pela neta Juliana Pimentel, da última viagem que fez a Fazenda Entre Rios no município de Água Doce. “A viagem foi em novembro do ano passado, ele não conseguia mais dirigir e eu o levei. Aquela fazenda era o xodó dele. Respondeu que não precisava me pagar nada, que aquilo era um presente, em gratidão aos ensinamentos”, finaliza Juliana.
“Meu pai foi um grande preservador da natureza. No passado eu não percebia isto, hoje percebo. Na sua fazenda em Água Doce preservou pelo menos 3 mil pés de araucárias nativas. Sempre falava que os netos e bisnetos comeriam pinhões daquelas árvores” lembra o filho e advogado Sinval Pimentel explicando que o pai nunca foi um homem adepto a culturas de lavouras mecanizadas, mas que defendia o meio ambiente, fauna e flora. “Quem até a fazenda em Água Doce diz que aquilo é um pequeno paraíso”, finaliza Sinval.
Silvio faleceu aos 91 anos, deixa enlutada a esposa Vanilda, os seis filhos: Sinval, Ivolnei, Idelmar, Sirlei, Aurenildo (Nego) e Leocélio, 10 netos e três bisnetos. Dia 28 de janeiro completaria 60 anos de casados com a amada Vanilda.
 
 
Festa dos 90 anos
Para a festa dos 90 anos de idade, Silvio preparou um discurso, com o seguinte texto:
“Com licença meus amigos colegas de tradição, quero aqui com poucas palavras expressar minha gratidão a todos que vieram me ver um abraço de coração, cheguei aos 90 anos com fé e dedicação!
Já dei exemplo da vida no presente e no passado peço a Deus meu protetor que sigam o meu legado, ajudem meus semelhantes, os humildes e os flagelados. Que perdoem se eu errei mas sempre fui dedicado.
Desde moço eu fui humilde respeitei e fui respeitado. Deus me deu esse destino de ser um homem honrado, enfrentei muitos perigos por onde tenho passado, mas construí minha família e por Deus fui abençoado.
E no dia em que eu partir quero festa e alegria ali descansa um gaúcho que viveu em harmonia. Se eu errei peço perdão a Deus e Virgem Maria deixo a todos o meu abraço. Amigo até um outro dia”.
Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »