01/10/2020 às 10h33min - Atualizada em 01/10/2020 às 13h33min

Ações preventivas contra o Aedes Aegypti têm continuidade

O município palmassolense contabiliza 16 casos confirmados, um em análise e outros 19 focos

Da redação
Seguem sendo realizadas as ações preventivas e de controle a dengue, em Palma Sola. Entre elas os ciclos de visitas bimestrais no perímetro urbano, contando com vistorias, orientações, além do monitoramento semanal das “armadilhas” e dos Pontos Estratégicos (PE’s), que estão espalhados pelo município e são visualizados de forma regular. Este trabalho é executado por agentes da Secretaria de Vigilância Sanitária, sendo seguido todos os protocolos preventivos contra o Covid-19.
Conforme dados do último boletim informativo, o município palmassolense contabiliza 16 casos confirmados, um em análise (aguardando resultado) e outros 19 focos. De acordo com a fiscal sanitária e coordenadora do programa, Sidiane de Lara Paz, o município é considerado infestado pelo mosquito Aedes Aegypti.
“Os casos, num primeiro momento, passam pela Vigilância Epidemiológica do município. Logo após, os dados são repassados para o setor de monitoramento, onde é realizada uma inspeção a fim de localizar possíveis focos, fazendo assim o Bloqueio de Transmissão (BT). Um boletim informativo, atualizado sobre o número de casos, é divulgado sempre pelas páginas oficiais do município”, comenta.
 
Conscientização
Sidiane acrescenta que, nesse momento, um dos programas trabalhados no município é realizado através da Secretaria de Educação, em parceria com a Fundação Nacional de Saúde (FUNASA), visando a saúde ambiental e conscientização sobre a doença. “Um dos objetivos é fazer com que tanto as crianças, como toda a comunidade escolar, desenvolva ou aprimore seu senso de responsabilidade e cuidado, em relação ao descarte correto do lixo, e demais materiais que podem servir de criadouro para o mosquito da dengue”, esclarece.
No planejamento, este era mais um dos projetos a serem realizados de forma direta e presencial, mas devido a pandemia, foi readequado ao formato online, onde todas as escolas recebem atividades a serem repassadas aos alunos. “Os professores orientam os alunos no online e as famílias buscam ajudá-los na prática”, frisa explicando que, ainda em relação as medidas de combate, o município conta com as Leis 1923/2016 e 2022/2018.
“Elas amparam a atuação do coordenador da dengue e dos agentes de endemias no programa de enfrentamento e combate ao vetor. Dentro dela, se enquadra o sistema de notificações, com prazo de resolução para eliminação de focos quando são constatados, e também multa caso não haja êxito mediante a notificação”, continua.
 
Prevenção
Para a fiscal, a colaboração da população é essencial para a diminuição dos possíveis focos do mosquito, evitando assim a transmissão comunitária. “Se cada um fizer a sua parte, procurando manter-se informado, sobre como eliminar os criadouros, cuidando do seu quintal, do seu espaço de trabalho, das áreas comuns de lazer e também fazendo uso do repelente, principalmente nos dias de temperaturas mais elevadas, onde existe maior circulação do vetor, poderemos desta forma, unir forças para combater e acabar com os focos em nossa cidade, pois um único mosquito é transmissor de várias doenças”, finaliza.
Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »