25/09/2020 às 13h37min - Atualizada em 25/09/2020 às 13h37min

O que é Neuroplasticidade? Na visão do Dr. Marcelo Bonanza

Da redação
Neuroplasticidade ou Plasticidade Neuronal, é a resposta que o cérebro pode dar a determinado estimulo. Refere-se à capacidade do sistema nervoso mudar, adaptar-se e moldar-se a nível estrutural e funcional ao longo do desenvolvimento neuronal e quando sujeito a novos estímulos. Provando que o Sistema Nervoso Central (SNC), não é uma estrutura rígida, que ele pode ser modificado e que lesões nele não serão permanentes, pois suas células podem ser reconstituídas ou reorganizadas.
Hoje, sabe-se que o SNC tem grande adaptabilidade e que, mesmo no cérebro adulto, há plasticidade na tentativa de regeneração. Esta característica faz com que os circuitos neuronais sejam maleáveis e está na base da formação de memórias da aprendizagem, bem como na adaptação a lesões de eventos traumáticos ao longo da vida adulta ou na fase inicial da formação, quando podem ter sido interrompidos por processos tóxicos, como está sendo considerado nos casos de crises convulsivas em Autismos.
 
Quais as terapias e vias metabólicas que podem estimular a Neuroplasticidade?
As terapias Reorganizacional Neuro Ppsico Físico tecnologia Reac, a celular com Macrofagos Autologos, a Neurofeedback, a Transcraniana e a estimulação de vias, dependem da análise dos aspectos plásticos do SNC relacionados a vários fatores, como influência do ambiente, se fornece condições adequadas para estimulação de áreas responsáveis na fala, no  aprendizado ou reaprendizado motor do paciente, do estado emocional (motivação e depressão), o nível cognitivo (indivíduos com menor déficit cognitivo, respondem de maneira mais adequada à terapia), entre outros, que interferem direta ou indiretamente na plasticidade do SNC e, consequentemente, na reabilitação do paciente neurológico ou se são crianças que estão com os seus processos cognitivos, sensoriais interceptados por erros, déficit e ou toxicidade de conexão.
 
Quais as patologias que se beneficiam nesta área?
As que possam estar com déficit de conexão sináptica, sejam elas por processos neurodegenerativos inflamatórias, como nos casos de demência senil, AVC,  esclerose, mal de Alzheimer, Parkinson, processos que foram propiciados ao longo de uma vida de saúde negligenciada ou toxicidade ambiental, erros de conexão neuronal, inflamação por desordem sistêmica nos Autismos Regressivos, nos Transtornos Globais do Desenvolvimento (TGD)  Dislexia, Apraxia, Atraso na fala, Transtorno no Déficit de Atenção, concentração e comportamento, Oligofrênicos, sequela de PC e consequências da Zika, a Microcefalia.
 
Entrevista completa no site da Revista ÚNICA
Tema: Saúde Humana Integrada, por meio da Neuroplasticidade
Dr. Marcelo Bonanza (CREMEB 14.684 / BA) – Atende em Salvador, São Paulo e Rio de Janeiro
Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »